Pseudopapel

Trensurb, o metrô de Porto Alegre

Trem na Estação São Leopoldo, da Trensurb

Aproveitei o feriado de Tiradentes para andar de uma ponta à outra no Metrô de Porto Alegre (Trensurb). Peguei um táxi até o Mercado Municipal, onde fica a Estação Mercado, a ponta sul da Linha 1, por enquanto a única da capital gaúcha. De lá, segui até a extremidade norte, a Estação São Leopoldo. Está em construção a extensão dali até Novo Hamburgo. As cores da Trensurb são azul e vermelha, e todos os trens estão pintados de vermelho de um lado, a frente voltada para o norte, e de azul do outro, a frente voltada para o sul.

A Trensurb, na verdade, tem mais a ver com a CPTM do que com o Metrô nas comparações com São Paulo, não só pelo intervalo entre os trens, especialmente fora do horário de pico e nos fins de semana e feriados — como mostra a primeira foto abaixo —, como pelo fato de se estender por outros municípios da região metropolitana. No caso da Trensurb, aliás, apenas seis estações (cerca de um terço) estão localizadas em Porto Alegre. Outras seis ficam em Canoas. Duas outras ficam em Sapucaia do Sul, outras duas em São Leopoldo e uma em Esteio. Os trens em geral estão em bom estado, mas muitos dos mapas que ficam em cima das portas estão desbotados no meio. Em alguns deles é difícil ver a lista de municípios, que ficam embaixo, mas não tive dificuldade para ler o nome das estações em nenhum.

Mapa de intervalos da Trensurb

Bilhete e catraca da Trensurb

O bilhete da Trensurb é consideravelmente mais barato que a passagem de ônibus em Porto Alegre: custa 1,70 real, contra 2,70 do ônibus. Há anúncios nas estações de integração do “sistema TRI” (ônibus) com o “sistema SIM” (trens), mas por enquanto restrita apenas aos passes de idosos.

Estação Mercado, da Trensurb

Trem na Estação Mercado, da Trensurb

Por ser feriado, o intervalo entre os trens era longo, de quinze minutos. Na Estação Mercado, o trem deixa os passageiros em uma plataforma, solicita o desembarque de todos e segue para uma área de manobras, para pegar os passageiros que seguirão com destino a São Leopoldo. Talvez por causa do maior intervalo durante o feriado, o trem em que eu embarcaria ficou longos minutos na área de manobra depois de deixar a plataforma oposta. A linha tem mão inglesa. Apesar de a estação ser visível desde o Mercado Público Municipal, do outro lado da praça em frente, e a plataforma estar praticamente ao mesmo nível da rua (a Avenida Mauá passa ao lado), só é possível entrar na estação por uma passagem subterrânea cujas entradas ficam na praça e ao lado do mercado.

Interior de vagão da Trensurb

Este é o interior de um carro da Trensurb. Mesmo num feriado, o vagão foi razoavelmente cheio, com muita gente em pé. Esta foto só foi possível porque tirada pouco após o trem deixar a Estação São Leopoldo, a primeira da linha naquele sentido. Esta é uma das extremidades do trem. Atrás do painel publicitário da operadora de celulares estava o maquinista.

O Rio Guaíba visto da linha da Trensurb

Veleiro e navio no Rio Guaíba

A grande maioria do trecho coberto pela Trensurb é urbana. Apenas após a Estação Sapucaia começa-se a ver mais áreas verdes. Mesmo assim, um dos trechos mais bonitos é justamente o mais urbano deles: o início, quando a linha corre ao lado do Rio Guaíba, da Estação Mercado até pouco além da Estação São Pedro, quando faz um curva à direita e começa a se afastar do rio.

Estação Rodoviária da Trensurb

Vista da Estação Rodoviária da Trensurb

À exceção das duas pontas, Mercado e São Leopoldo, as únicas que têm plataformas laterais, quase todas as estações da linha da Trensurb são muito parecidas. Dentre elas, a mais diferente é talvez a Estação Rodoviária, cuja cobertura é o viaduto que liga a Avenida Castelo Branco à Via Elevada Conceição. Um viaduto sempre está longe de ser a coisa mais bonita do mundo, mas, neste caso, conseguiram transformar seus baixos em uma coisa útil, pelo menos. Especialmente por integrar o metrô à rodoviária, algo que falta em muitas cidades, como Belo Horizonte e Rio de Janeiro.

Depósito de trens em São Leopoldo

Leito de linha na Estação São Leopoldo

A antiga estação de São Leopoldo, desativada nos anos 1980, não foi demolida graças ao esforço da comunidade. Ela resiste até hoje, ao lado da Estação São Leopoldo da Trensurb, com seus trilhos elevados praticamente desde a estação anterior, Unisinos. Não é o prédio que aparece na primeira foto acima. Não consegui descobrir o que ele é/foi. A seu lado, antigos trilhos mantêm algumas composições ainda da época da Viação Férrea do Rio Grande do Sul (VFRGS). É possível vê-las das escadas que descem da plataforma de chegada, embora seja difícil fotografar, por causa dos vidros sujos. Na segunda foto, o leito da linha na saída da Estação São Leopoldo, rumo à Estação Unisinos.

Estação Canoas/La Salle

Antiga estação de Canoas

Duas estações Canoas

Assim como em São Leopoldo, em Canoas a antiga estação ferroviária sobrevive como sede da Fundação Cultural de Canoas, muito próxima à estação atual da Trensurb. Cerca de cem metros separam a estação antiga da Estação Canoas/La Salle, que leva também o nome de uma escola que, curiosamente, fica mais próxima da estação desativada do que da que leva seu nome. De dentro da Estação Canoas/La Salle não é possível avistar a antiga estação, embora da passarela localizada ao lado da atual Fundação Cultural seja possível contemplar ambas, como se vê na terceira foto acima, com a antiga estação em primeiro plano, com algumas pichações. A cerca branca à esquerda na foto é do Colégio La Salle. Um pouco à direita, perto de onde a rua faz a curva, está a Estação Canoas/La Salle.

7 comentários

Ralph Giesbrecht (42)

Muito bom, da última vez que fui a Porto Alegre não deu tempo para andar nele… mas estive em Canoas e fotografei a estação

24 de abril de 2011, 12:01

Deise (1)

Mto show Alexandre!

Faltou só comentar que a estação de trem tb passa em frente ao aeroporto de Porto Alegre. Isso é fundamental numa cidade grande e o que mais falta, hoje, em São Paulo, com certeza!!

Parabéns pelo blog! Super interessante, as fotos ficaram otimas!

25 de abril de 2011, 17:26

Alexandre Giesbrecht

Sim, é uma das poucas cidades brasileiras que têm uma estação próxima ao aeroporto, embora não seja integrada, como costuma ser na Europa e na América do Norte. Também por causa da idade do sistema, ela fica mais próxima do atual Terminal 2, que é o aeroporto antigo, reativado.

25 de abril de 2011, 19:30

Mauricio (1)

A maior parte dos trilhos da TRENSURB está em Canoas.

6 de outubro de 2013, 14:39

ana (1)

A maior parte dos trilhos da TRENSURB bem como a maior parte dos usuários está em Canoas. Canoas é uma cidade gigante, com 450.000 habitantes, 2º maior PIB do Rio Grande do Sul e 25º maior do Brasil. Canoas tem o segundo maior polo educacional e também o maior número de UPAS do RS, além de ter em seu território grandes indústrias, uma base aérea (Base Aérea de Canoas), uma refinaria (Refinaria Alberto Pasqualini, da Petrobras) e o maior shopping do Rio Grande do Sul situado fora de Porto Alegre.

23 de janeiro de 2014, 13:45

Fernanda Sampaio (1)

Olá, tudo bem?

Sou a editora de uma revista para brasileiros na Espanha e gostaria de te pedir autorização para usar uma foto (a primeira) na revista impressa BrazilcomZ para ilustrar um artigo. Daremos o crédito, claro. Pode ser? Um abraço!

22 de janeiro de 2016, 12:57

Lilian Amaral (1)

Olá, preciso de um bilhete, urgente, da homenagem à Tiradentes. Será que alguém consegue. Obrigada.

27 de junho de 2016, 13:49

Escreva seu comentário

Nome:
Obrigatório.
E-mail:
Obrigatório; não será publicado.
Website:
Comentário:

Busca

RSS

Assine aqui.

Tempo de resposta

79 queries em 1,311 segundos.

Licença

Textos e fotos aqui publicados são liberados em Creative Commons sob a licença Attribution 3.0 Unported. Isso significa que podem ser usados em qualquer projeto, comercial ou não, desde que sejam creditados como "Alexandre Giesbrecht". Um link para cá é bem-vindo, assim como um aviso de que o material foi usado.

Quem?

Alexandre Giesbrecht nasceu em São Paulo, em abril de 1976, e mora no bairro do Bixiga. Publicitário formado pela Escola Superior de Propaganda e Marketing, é autor do livro São Paulo Campeão Brasileiro 1977 (edição do autor).

Outros projetos

Links