Pseudopapel

Rua Félix Guilhem, 345 ou 347

Casa na Rua Félix Guilhem, 345 ou 347

Passo quase diariamente na frente desta casa, localizada na Rua Félix Guilhem, na Lapa, próximo à esquina com a Rua Tenente Landy e a um quarteirão da Estação Lapa da Linha 7 da CPTM. Como passo de carro, nunca a tinha notado. Não é para menos. Ela não é particularmente bonita e seu estado é lamentável. Mas nesta última semana passei a pé por ali e percebi que seu estado é mais do que lamentável: a casa simplesmente não existe mais. Quem passa por ali de carro tem a impressão de ver uma casa abandonada, que talvez seja recuperada no futuro, como suas duas vizinhas (embora se possa reclamar da descaracterização da casa à esquerda na foto, geminada à casa abandonada). Mas as madeiras colocadas no portão para obstruir a visão de fora já revelam que tudo o que sobrou para ser restaurado é a fachada do segundo andar.

Já não há mais sequer indícios de como era a planta da casa. Do lado direito existe um corredor que dá em uma escadaria que já não leva mais a lugar algum. Os últimos degraus já estão cobertos por escombros. O abandono não parece ser nada recente, talvez coisa de muitos anos. No Google Street View, cuja imagem foi feita há alguns meses, há sutis diferenças: uma placa sobre o portão, onde se lê “Estacione” (?), e uma das janelas do segundo andar, cuja armação de sustentação do vidro ainda aparecia — hoje essa armação pode ou ter sumido de vez ou estar aberta para dentro.

Não há mais informações sobre a casa, além do fato que ela é usada como lata de lixo por alguns mal-educados e, óbvio, já está pichada, provavelmente há um bom tempo. Nem mesmo consegui descobrir seu número. Suponho que seja 345 ou 347, porque a casa vizinha é a 339 e a segunda depois é a 359. A casa verde, apesar de reformada em um passado recente, não tem número à mostra. Como não há progressão aritmética que se encaixe, o chute é 345 ou 347. Abaixo, mais algumas fotos do que restou da casa. Pelo menos esta casa não deve virar um espigão de apartamentos num futuro próximo, não só pelo tamanho do terreno, como também devido ao fato de ela estar localizada em uma zona mista de alta densidade, que permite apenas a construção de imóveis com área construída até 2,5 vezes maior que a área do terreno.

Fachada da Rua Félix Guilhem, 345 ou 347

Térreo da Rua Félix Guilhem, 345 ou 347

Chão da garagem à Rua Félix Guilhem, 345 ou 347

Janelas à Rua Félix Guilhem, 345 ou 347

Portão à Rua Félix Guilhem, 345 ou 347

Lateral da casa na Rua Félix Guilhem, 345 ou 347

1 comentário

Ralph Giesbrecht (42)

Fazer um bar ao ar livre com entrada pelo que sobrou de fachada melhoraria muito as coisas…

26 de junho de 2011, 10:23

Escreva seu comentário

Nome:
Obrigatório.
E-mail:
Obrigatório; não será publicado.
Website:
Comentário:

Busca

RSS

Assine aqui.

Tempo de resposta

74 queries em 0,572 segundos.

Licença

Textos e fotos aqui publicados são liberados em Creative Commons sob a licença Attribution 3.0 Unported. Isso significa que podem ser usados em qualquer projeto, comercial ou não, desde que sejam creditados como "Alexandre Giesbrecht". Um link para cá é bem-vindo, assim como um aviso de que o material foi usado.

Quem?

Alexandre Giesbrecht nasceu em São Paulo, em abril de 1976, e mora no bairro do Bixiga. Publicitário formado pela Escola Superior de Propaganda e Marketing, é autor do livro São Paulo Campeão Brasileiro 1977 (edição do autor).

Outros projetos

Links